segunda-feira, 4 de setembro de 2017

Artigo, Pedro Lagomarcino - O que é ser de direita e o que é ser de esquerda

- O autor é advogado, Porto Alegre.

O QUE É SER DE DIREITA E O QUE É SER DE ESQUERDA
Certamente você já ouviu falar sobre esta grande dicotomia política: direita e esquerda.
Todavia, mesmo que ela tenha séculos de existência, muito ainda se desconhece sobre seus reais significados e diferenças.
Antes de abordar o assunto, evidentemente, sem a pretensão de esgotá-lo, algo há de ser salientado desde o início: uma coisa é DIZER SER, a outra é REALMENTE SER E SE PAUTAR DE FORMA COERENTE com a ideologia que se escolhe, de modo a permitir que o discurso se circunscreva de forma verdadeira à realidade.
RAZÕES HISTÓRICAS
As ideologias “esquerda” e “direita” foram criadas durante as assembleias francesas do século 18. Nessa época, a burguesia procurava, com o apoio da população mais pobre, diminuir os poderes da nobreza e do clero.
Era a primeira fase da Revolução Francesa (1789-1799).
Com a Assembleia Nacional Constituinte montada para criar a nova Constituição, as camadas mais abastadas não gostaram da participação das mais pobres, e preferiram não se misturar, sentando separadas, do lado direito. Por isso, o lado esquerdo foi associado à luta pelos direitos dos trabalhadores, ao passo que o direito ao conservadorismo.
Dentro dessa perspectiva, salientamos, dessa perspectiva, ser de esquerda presumiria, em tese, lutar pelos direitos dos trabalhadores e da população mais pobre, a promoção do bem estar coletivo e da participação popular dos movimentos sociais e minorias. Já a direita representaria uma visão mais conservadora, ligada a um comportamento tradicional, que busca manter o bem estar individual.
Atualmente, as causas da ideologia de esquerda foram comPleTamente deturpadas, identificando-se, de forma muito clara, grupos políticos muito coesos em legendas partidárias e a criação de outras tantas legendas de aluguel, chamadas na ciência política de "congêneres", haja vista não possuírem qualquer bandeira ideológica e por não mais atender o clamor dos mais pobres, e sim, para se utilizar da vulnerabilidade social e da condição de pobreza, para se perpetuar no poder.
Na prática, o que se constata, é que os "caciques" de tais legendas de esquerda nunca produziram algo de útil ou relevante, mas através de expedientes pedestres e atávicos, lucram através da bandeira da "justiça social" lobotomizando os desfavorecidos intelectualmente e os que se encontram em condições de vulnerabilidade, através de doutrinação política totalmente desconexa com a realidade, para que a permanência no poder ocorra.
Via de regra (e registro que não encontrei ainda exceções) os caciques sedizentes de esquerda possuem uma vida compleTamenTe diferente daqueles desfavorecidos intelectualmente, em situações de vulnerabilidade social e na condição extrema de pobreza.
É necessário diferenciar algo que o cidadão brasileiro ainda confunde (e muito): ser de direita não quer dizer ser a favor da intervenção militar ou de uma ditadura.
Ora veja, uma intervenção militar e uma ditadura militar, normalmente vêm à tona, através de um sentimento exacerbado de nacionalismo.
Para que ocorra uma intervenção militar e uma ditadura militar, é requisito e condição "sine qua non" que o Estado assuma total controle da nação.
Obviamente, ao se conceber isso, a implicação lógica e óbvia é um Estado interventor, custoso, lento e paquidérmico. Pior, normalmente tais situações vêm à custa da redução de liberdades individuais e de garantias do cidadão de bem, de modo que o Estado passe a ter maior importância do que o indivíduo.
Tanto do ponto de vista da ciência política, quanto do ponto de vista histórico, verdade seja dita, o Brasil nunca possuiu um governo de direita minimamente sério, embora já tenha experimentado, lamentavelmente, décadas de governos retrógrados e autofágicos de esquerda, todos ligados as linhas ideológicas surreais do comunismo marxista. Enfatizo, retrógradas porque insustentáveis por si mesmas e sustentadas apenas com o esforço e o trabalho do cidadão de bem que realmente produz algo de ÚTIL, RELEVANTE e que GERA RIQUEZA.
Ser de direita é, ao fim e ao cabo, ser a favor da redução do tamanho do Estado, é ser a favor da livre iniciativa, da propriedade privada e da liberdade de escolha do indivíduo; o que não encontra qualquer fundamento na intervenção militar e em uma ditadura militar.
Uma intervenção militar e uma ditadura militar só eclodem se, os representantes eleitos, dentro da ordem democrática e na vigência do Estado Democrático de Direito, chegaram ao cúmulo e não conseguem mais criar mecanismos, para resolver questões que fazem dos mandatos a razão de existir. Mais, se o cidadão de bem também não consiga mais contribuir com voz e a vez, para exercer, através da cidadania diária (e não apenas do voto de tempos em tempos), da participação constante e da fiscalização de seus representantes eleitos, bem como por meio de medidas e ações pautadas pela altivez.
Impõe-se colocar a toda evidência, a direita possui, deveras, maior contato e proximidade com o pensamento liberal ou com o pensamento conservador, do que com a intervenção militar e a ditadura militar.
O QUE É SER DE ESQUERDA
- Ser a favor da "justiça social", expressão essa que ninguém até hoje conseguiu definir como funciona, mas todos já sabem quem realmente dela se serve e se beneficia, para se manter no poder;
- Ser a favor da maior intervenção do Estado na vida do cidadão;
- Ser a favor do aparelhamento do Estado, para que ele possa, cada vez mais, intervir;
- Ser a favor que o Estado seja interventor na economia, na educação, na saúde, na segurança e em diversas outras áreas;
- Ser a favor de programas sociais como mecanismos de minimizar as mazelas da vida de pessoas em situação de pobreza e marginalizados;
- Por ser a favor do Estado como interventor, convir que, para atender todo o "cabedal estatal" e intervir em todas as áreas e para "promover" os programas sociais, sempre haverá á necessidade de haver maior tributação, em razão das "necessidades" aumentarem cada vez mais.
O QUE É SER DE DIREITA
- Ser a favor da liberdade;
- Ser a favor da propriedade privada;
- Ser a favor da livre iniciativa;
- Ser a favor da redução do Estado;
- Por ser a favor da redução do Estado, da livre iniciativa, convir que a carga tributária deve ser, deveras, reduzida, haja vista que o Estado passa intervir, cada vez menos, na sociedade e apenas em áreas que são fundamentais, como infraestrutura (para assegurar as condições para autônomos e profissionais liberais trabalharem e para empresas funcionarem, através da manutenção de ruas, estradas, iluminação pública, serviços de saneamento, água e esgoto) e de segurança pública de alto nível;
- Saber que os programas sociais não são utilizados como mecanismos de minimizar as mazelas da vida de pessoas em situação de pobreza e marginalizados, e sim, como currais eleitorais, mediante a manutenção de pobres e marginalizados em condição de vulnerabilidade, para que sejam concedidos benefícios (que não os retiram das condições de vulnerabilidade), em troca do voto;
- Saber que o Estado não produz riqueza por si só. A riqueza é gerada sim através da atividade do cidadão de bem e de empresas, sendo que, para cada ação que o Estado pretenda realizar, haverá sempre a necessidade de haver recursos, os quais sempre são buscados no bolso do cidadão de bem e ou no caixa da(s) empresa(s), através de tributos (impostos, taxas e contribuições de melhoria).
REGISTRO
Portanto, faço questão de deixar registrado que sou, por todas as razões acima expostas, DIREITO e DE DIREITA, com muito orgulho.

Objetivamente, sou um DESTRO nato e ANTICANHOTO de nascimento.​

Um comentário:

  1. Em resumo, a direita privilegia o indivíduo (direitos individuais) e a meritocracia; a esquerda privilegia a coletividade (direitos coletivos) e a condição social menos privilegiada. A esquerda tem por meta a igualdade dos membros da sociedade; a direita tem por meta a igualdade de oportunidades a todos. Os homens são diferentes e querer igualá-los "na marra" faz com que o nivelamento se dê por baixo. Todos perdem, exceto, é claro, os membros da nomenklatura (dirigentes do partido de esquerda).

    ResponderExcluir