quinta-feira, 23 de novembro de 2017

Astor Wartchow - O Risco Populista

O Risco Populista

Astor Wartchow
Advogado-OABRS 25837

Houve um tempo em que o principal “inimigo” das democracias ocidentais era o comunismo. Com a queda do Muro de Berlim e a rápida decomposição do antigo império soviético, aliado a conversão descarada da China ao capitalismo (ainda que sob uma ditadura do partido único e controle da mídia), este inimigo não existe mais.
Então, resta atual e emergente o risco populista. E não apenas nos países pobres e em desenvolvimento. Mesmo nas modernas e ricas democracias é atual e persistente. E de variadas motivações. Entre tais, o persistente desemprego e a emergente xenofobia.
Então, dependendo a motivação (usemos como exemplos o desemprego e a xenofobia), o populismo pode se converter numa ação de esquerda (combate ao desemprego) ou de direita (defesa da xenofobia).  
Mas o populismo tem várias faces e vertentes. Regra geral, seu discurso mais evidente é o nacionalismo. Também utiliza a religião e o racismo como discurso e meio político de ataque e defesa. Alvos preferenciais, muçulmanos e negros que o digam. Mas, mexicanos, árabes e africanos sofrem igualmente.
A identidade mais apropriada do populismo é a irresponsabilidade fiscal, financeira e econômica. Apostam riquezas e virtudes nacionais em troca do sucesso efêmero, comprometendo o futuro e a estabilidade nacional.
Como identificar o governante populista? Discurso nacionalista e estatizante, freqüente manipulação de preços de mercado, ataque a liberdade de imprensa e generosos aumentos salariais.
Teses e práticas absurdas? Não, pelo contrário, desde que auto-sustentáveis e responsáveis. Não demagógicas, nem eleitoreiras.
O escritor peruano (e prêmio Nobel de Literatura) Vargas Llosa (1936) fez um ótimo resumo sobre o populismo: “Uma das maiores dificuldades para combatê-lo é que apela aos instintos mais puros dos seres humanos: o espírito tribal, a desconfiança e o medo do outro – seja de raça, língua ou religião diferente –, além da xenofobia, do patriotismo exagerado, da ignorância”.




6 comentários:

  1. "esse inimigo não existe mais"; "ação da esquerda (combate ao desemprego)" "direita (defesa da xenofobia)" "populismo .. é nacionalismo", dessas meias verdades, em clássico discurso socialista, depreende-se que o gramscismo implantado e ainda vigente na mídia e no estado não é o perigo, mas sim a única proposta não corrupta que temos: Bolsonaro, seria então o maior problema do país. KKKKKKKK, melhor JAIR se acostumando!

    ResponderExcluir
  2. O populismo é o caminho que melhor atende a ganância pelo poder, de indivíduos completamente desprovidos consciência social. O populismo se aproveita do baixo nível dos menos qualificados e informados, para seduzi-los com promessas de forte cunho emocional, visando apenas o voto e o poder. Tem um populista, muito conhecido, que de vez em quando repete o refrão canalha: " o político tem que dizer o que o povo quer ouvir".

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O povo votaria num politico que dissesse o que ele povo não quer ouvir?

      O candidato já inicia com ficha suja...

      Excluir
  3. Mais um "lobo em pele de cordeiro", ou seja, um gramsciano...

    ResponderExcluir
  4. Que texto mais Gramsciano, hein!?
    Não achastes forma mais sutil para atacar o Bolsonaro !?
    Embarcastes no bonde dos que ululam aos quatro ventos: fascista; homofóbico; xenófobo; misógeno...(argumentos velhos, há um século).
    Não percebestes...Estais pensando o que pensaram por você.
    É o que preconizou Gramsci: "eles têm que introjetarem o comunismo de maneira tal que passem a agir como se fora um decreto divino". Você é a prova viva do que preconizou o maldito anão corcunda.
    Você é como o peixe ao qual se dissesse que nada; duvidaria da existência da água.
    Seja franco: Bolsonaro é seu grande medo! Consolo: você não é o único a se borrar de paúra.

    É bom JAIR se acostumando!

    ResponderExcluir