terça-feira, 12 de dezembro de 2017

O Brasil é o país do racismo. É o que dizem os canalhas.

O Brasil é o país do racismo. É o que dizem os canalhas.
Leio hoje (11dez17) no G1.Globo.com a recente pesquisa elaborada pela UNESCO, pela Secretaria Nacional de Juventude da Presidência da República e pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública, o IVJ 2017, que afirma que mulheres negras com idade entre 15 e 29 anos têm 2,19 vezes mais chances de serem assassinadas do que as brancas da mesma faixa etária. No Rio Grande do Norte este índice sobe para 8,11 e no Amazonas para 6,97.
O incauto que lê esta pesquisa feita por pessoas mal intencionadas cujo objetivo é acirrar a separação e o ódio entre diferentes etnias, pode até imaginar que hordas de brasileiros brancos, vestidos com seus alvos capuzes pontiagudos, invadam redutos negros atirando indiscriminadamente em jovens negras pelo simples prazer de assassiná-las.
Procurei em toda a pesquisa e não achei a classificação por cor dos assassinos destas jovens.
O artigo cita com relevo Marlova Jovchelovitch Noleto que diz “a violência contra a juventude negra no Brasil atingiu índices alarmantes”.
O documento lembra também que o Brasil foi o último país DO MUNDO a abolir oficialmente a escravidão, em 1888 quando os negros já eram 50% da população. Isto foi ha 129 anos. Esta informação, além de completamente inútil, é de uma mentira alarmante. Nos Estados Unidos o estado do Mississipi aboliu oficialmente a escravidão em 7 de fevereiro de 2013, ainda que na prática não houvesse mais escravos há mais de 100 anos.
Hoje, estima-se que ainda haja 29,8 milhões de pessoas escravas no mundo. Índia, China, Paquistão, Nigéria, Etiópia, Rússia, Tailândia, Congo, Mianmar e Bangladesh são países que mantém grandes contingentes de sua população em regime real de escravidão. Na Líbia, país cujo ditador Kadafi abasteceu Lula com US$ 1 milhão segundo recente delação de Antonio Palocci, homens, mulheres e crianças ainda são vendidos em praça pública. (O Estadão 25 nov17).
O propósito do estudo e da reportagem é enganar a população. A maior parte de jovens negras é morta pelas mãos de outros jovens negros em brigas familiares, assaltos, latrocínio ou balas perdidas nos tiroteios entre gangues ou contra a polícia. Não existe racismo e sim criminalidade que independe da cor.
Que ações efetivas foram feitas pelos governos do Brasil nestes 129 anos para promover a igualdade entre todos os brasileiros conforme prega nossa Carta Magna? E nestes últimos 32 anos de redemocratização? Parece-me que foi apenas a invenção do sistema de cotas raciais que humilha definitivamente as populações afrodescendente e indígena considerando-as oficialmente inferiores a ponto de precisarem de critérios atenuados de avaliação para que possam ascender na vida. Mas, melhorias nas escolas de base para dar-lhes melhor cultura e proporcionar-lhes um futuro melhor, isto não foi feito.
Não interessa a melhoria das populações indígenas e afrodescendentes. Importa é jogá-las contra os brancos acirrando cada vez mais o ódio entre suas populações o que praticamente não existia antes da criação destas leis separatistas e da tomada do poder pelos governos de esquerda.
A reportagem do G1.Globo.com aproveita para trazer à tona a diferença salarial entre brancos e negros. Nem vou entrar no mérito desta discussão ideológica e tendenciosa, mas fico me perguntando:
Será que Joaquim Barbosa renunciou ao seu mandato de Ministro do Supremo Tribunal Federal porque seus rendimentos eram 59% menores do que o dos outros ministros brancos?
Vamos deixar de ser canalhas.



Fabio Jacques tem mais de 40 anos de experiência em gestão empresarial. Exerceu cargos de chefia e direção em empresas como ATH Albarus (hoje GKN do Brasil Ltda), Dana Albarus S.A., Calçados Bibi, Viação Hamburguesa e Unidasul, dentre outras. É diretor da FJacques - Gestão através de Ideias Atratoras.

Nenhum comentário:

Postar um comentário