quinta-feira, 20 de julho de 2017

A Lenda

A Lenda
Astor Wartchow
Advogado-oabrs 25837
 Gigantes por natureza e deitados eternamente em berço esplêndido, havia uma terra e seu povo que  acreditavam na lenda acerca da ascensão ao poder de um homem pobre e humilde.
 Sem cultura e educação formal, e advindo de região miserável e árida da nação, estaria,  porém, investido e atribuído de sabedoria, humildade, liderança e despreendimento material.
 A lenda em torno deste messias fazia crer também - baseado em outra lenda que atribui virtudes naturais aos materialmente pobres - que seria incorruptível, dotado de honestidade, senso ético e moral. Uma alma nunca dantes vista naquelas terras e terras nenhumas entre todas as terras do mundo.
 E este predestinado conduziria todo o seu povo, pobres e ricos, negros e brancos, sulistas e nordestinos, indistinta e equitativamente, a plenitude de seus direitos, posses materiais e culturais e demais prazeres.
 Conquistas e realizações como que por encantamento. Afinal e consequentemente, repetia-se que tal nação e seu povo seriam pródigos por natureza e divindade.
 E, assim, durantes anos e anos propagou-se a lenda. E com seu crescimento e a popularidade do messias, a reprodução massiva de seus pastores e fiéis.
 E o que era uma lenda virou uma religião. E como as demais religiões, também têm seu ícone, seu dogma e o exercício da idolatria.
 Além dos ditos e cantados atributos que a origem social e geográfica se lhe incorporariam como por osmose e misticamente, a lenda, como toda a lenda, também dizia que haveria um sinal, um pequeno detalhe físico-estético que permitiria identificar quem de fato seria o predestinado. Típico de lendas!
 Mas, ainda que tardias, a realidade e a verdade acerca dos milagres, pessoas e fatos não mantiveram concordância com que se lhe cantavam e encantavam a lenda e o próprio messias, a retórica dos pastores e os desejos dos respectivos fiéis.
 Então, não demorou e o que era promessa de “paz e amor”, virou incitação às diferenças étnicas, sociais, culturais e institucionais, grosseiramente batizadas e rotuladas.
 E o que pregara a lenda, seus propagadores e fiéis sobre a suposta sabedoria, humildade, liderança e despreendimento material do messias,   transformou-se em dilúvio de profanações, arrogância, mentiras, apropriações indébitas e escândalos.
 Mas, como todas  as igrejas e seu dogmas, como todas as lendas universais, também esta mantém sua narrativa, seu ícone, seus propagadores e crentes. Apesar de todos os pesares e ainda que quase apagada e cadente a estrela que a simboliza.       
 Qualquer semelhança com histórias e estórias brasileiras é mera conincidência.



Um comentário:

  1. sintese muito própria e correta, parabéns colocou tudo o que a maioria silenciosa deste País, gostaria de dizer sobre este cidadão.

    ResponderExcluir