quarta-feira, 27 de dezembro de 2017

Artigo, Iracilda Gonzalez - Tragédia da ambição desmedida

Artigo, Iracilda Gonzalez - Tragédia da ambição desmedida
Revisito  William Shakespeare (1564-1616) na Tragedia por ele escrita-A Tragédia de Macbeth, que bem expressa a realidade que estamos vivendo.
A ambição desmedida viola valores, muitas vezes resultados que foram de árduas conquistas. Faz inversão de costumes que foram sabiamente constituídos.
A ambição pelo poder de que fala mais especificamente William Shakespeare , mostra o uso da astucia para eliminar quem quer que impedisse ao personagem à chegada ao poder absoluto.
Sem nenhum escrúpulo, as mãos são manchadas de sangue para eliminar as pessoas que são os obstáculos.
Na tragédia de Shakespeare, a pseudoastúcia foi derrotada pelos adversários e a loucura final e o suicídio foi o fim dos ambiciosos sem limites. A maldade contida na ambição desmedida tornou inviável a própria sanidade mental.
Nos dias atuais estamos testemunhando a presença da ambição desmedida com novas/velhas roupagens, visando sempre um domínio sobre algo, sobre alguém, sobre um povo, um país. Enfim, uma imposição. Imposição que é buscada a qualquer preço.
A ideia de se chegar a ser soberano absoluto é perseguida de maneira feroz. Há a avidez de êxtases inauditos.
A ambição em ser um líder Messiânico, um salvador um redentor, um enviado divino, como ideal político, é uma ideia de caráter pessoal, que pode tristemente acontecer, se encontrar terreno propício, como Hitler encontrou na Alemanha. Contou na época  com o grande “mestre da propaganda”-Goebels; que se encarregou de mostrar um universo mágico,falso da realidade.Além de outros fatores complexos.
A ambição, em si, é bem vinda quando traz acréscimo ao coletivo, à  ciência, ao conhecimento, ao bem estar do outro.Quando, porém, é fruto da vaidade, visando vantagens pessoais,sendo manipulada como se ao bem estar do outro se destinasse, não resiste ao tempo, que é o grande decantador da humanidade. 
Ambição sem pudor anda de braços dados com a corrupção, não mais como uma questão social e política, mas como um estado de Ser.
Falando isso, registro um fragmento de sessão do STF, em 19/12/2017. Durante um embate com outro ministro, disse o Ministro Barroso: “ Estamos vivendo  uma tragédia brasileira- a tragédia da corrupção que se espraiou de alto a baixo sem cerimônia.Um país em que o modo de fazer política e negócios funciona assim: o agente político relevante escolhe o diretor da estatal ou ministro,com cotas de arrecadação, e o diretor da estatal contrata, tem licitação fraudada ,a   empresa que vai superfaturar a obra ou contrato público prá depois distribuir dinheiros e aí não faz diferença se foi para o bolso ou para a campanha porque o problema não é pra onde vai ,é de onde vem- é a cultura de desonestidade que se cria de alto abaixo com maus exemplos”... “ sem achar que ricos criminosos tem imunidade, porque não tem”. Correto Ministro! O embate é saudável.
No entanto, há um diáfano véu que encobre o que está por trás da retórica. Ambos têm algo na mente que não é colocado. Apesar dos estilos diferentes, um numa linguagem rude, que não vale a pena comentar, e o Ministro Barroso mais sofisticado. Mas, nitidamente  tem lados, e lados opostos.
Se instalou uma babel. Falam línguas diferentes porque são diferentes os objetivos. Então aparecem meias-verdades, uma explícita, e outra, jaz não no inconsciente, mas bem acobertada por uma questão de estratégia, de pontos de vista, de lados escolhidos.
Quando um Ministro entra na sala, via de regra, a balburdia cessa, estranhamente lá eles a protagonizaram. Não é sem razão que os índices mostrados nas pesquisas de opinião vê-se uma descrença com o STF;  possuindo a Lava Jato de Curitiba  índices melhores de confiabilidade. Parece  fazerem um trabalho que visa o cumprimento estrito das leis.
Para sair da “cultura de desonestidade”, creio eu, é importante que se banhem com coragem na água de purificação da consciência e adquiram coerência e integridade no mais amplo  significado dos termos.

                                                    Iracilda Gonzalez

                                                    Médica e psicanalista.

Nenhum comentário:

Postar um comentário