quarta-feira, 26 de setembro de 2018

O plebiscito e o referendo


Astor Wartchow
Advogado
      A se confirmar o que as pesquisas eleitorais têm identificado até o momento, o segundo turno da eleição presidencial será entre Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT).
      Infelizmente, vença quem vencer, não haverá expectativa de reinar a mínima paz política, necessária para que ocorra um governo razoável e estável, capaz de enfrentar os graves problemas atuais e vindouros.
      Com certeza, encerrada a eleição e apontado o vencedor, o perdedor não aceitará a derrota. E no dia seguinte prosseguiremos na mesma ladainha. Este pessimismo é explicável pelo conjunto dos fatos recentes e a conduta das partes.
      Um, o capitão Bolsonaro, é notória e assumidamente autoritário, cultuando e disseminando idéias e práticas de alto risco e socialmente desagregadoras. Exemplos destas características e abusos não faltam.
      O outro, o agora ajudante de ordens Haddad, é porta-voz de um preso e partido que menosprezam as leis e as autoridades. É o que demonstra sua inconformidade com decisões policiais e judiciais anticorrupção que atingiram seus líderes partidários, alguns já condenados, e, especialmente, o ex-presidente, aliás, também condenado em um processo e réu em outros cinco.
      Em comum, os dois candidatos (e o que representam) não aprenderam nada com os fatos nacionais, nem com a história mundial, além de reafirmarem a idéia de que os fins justificam os meios.
      Então, iludido e contaminado pelas circunstâncias negativas de ambos, verso e reverso da mesma moeda, resulta que o povo votará de modo plebiscitário quanto a um ou outro candidato. Mas, conseqüentemente, referendará a indiferença ética e a hipocrisia social!
      De modo que restarão derrotados princípios e valores históricos, éticos e legais. Se não são valorizados e essenciais na prática político-partidária, como nossa realidade demonstra, são, entretanto, preceitos basilares na constituição de uma nação que se pretenda altiva, comunitária e progressista.
      Ressalva: ao conceituar severamente e prognosticar este desagradável desfecho entre os dois prováveis finalistas, não significa dizer que os demais pretendentes sejam “santos” e isentos de responsabilidades pelo péssimo momento. Muito pelo contrário.
      Aliás, a propósito, como se fosse incapaz de entender o que aconteceu de fato nos últimos tempos e prever suas óbvias conseqüências (por exemplo, surgimento de um conservador fenômeno “bolsonaro”), o ex-presidente e sociólogo Fernando Henrique Cardoso vem agora propor uma terceira via, cínica e tardiamente.
      Percebe-se que também ele foi contaminado pelo vírus epidêmico do “não sabe nada e não viu nada!” 

Um comentário:

  1. O problema é que o povo cansou da falsa dicotomia entre PSBD e PT. Depois de 4 derrotas, passados 16 anos, o PSDB não merece nova chance de disputar a condução do país. Sempre fez uma oposição fraca, a princípio propositalmente, por gestões ideológicas. Para não dar chance ao PT, está sendo necessário radicalizar.

    ResponderExcluir